Destaquesdo site

Do bloqueio à superação

Do bloqueio à superação

 

Como dizia minha avó: “quem é vivo sempre aparece”!

Sendo assim aqui estou eu de volta, com saudades dos leitores da coluna De mala e cuia no Qatar.

Hoje gostaria de falar para vocês sobre um assunto pelo qual tenho recebido muitas mensagens …a situação do bloqueio de fronteiras do Qatar com os outros países do Golfo Persico.

Não vou abordar política, porque esse não é o objetivo da coluna. Mas vou falar de como é grande o compromisso do país em manter a paz e o bem-estar dos que vivem aqui e como o governo está contornando a situação do bloqueio de fronteiras que se arrasta por mais de sessenta dias.

 

Como tudo começou

 

Nós, população do mundo todo, somos sempre os últimos a saber sobre as decisões, acordos e desacordos políticos dos países. Pois aqui não é diferente.

No dia 05 de junho acordamos com a notícia de que quatro países do Golfo (Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito) haviam cortado relações diplomáticas e fechado as fronteiras terrestres, aéreas e marítimas com o Qatar.

Deserto do Qatar, ao fundo montanhas da Arábia Saudita by Leila Martínez

Deserto do Qatar, ao fundo montanhas da Arábia Saudita by Leila Martínez


 

Os medos

 

Confesso que o pânico se instalou no meio das comunidades de expatriados. As preocupações com abastecimento, livre entrada e saída do país e um possível conflito começaram a pipocar nas redes sociais locais.

Imagem retirada da internet do dia em que foi anunciado o bloqueio

Imagem retirada da internet do dia em que foi anunciado o bloqueio

 

As primeiras preocupações foram: “vai faltar comida” porque 80% do abastecimento local é importado dos países vizinhos ou de outros países que utilizam o espaço aéreo para chegar aqui. Então vocês podem imaginar a correria ao supermercado. Fiquei impressionada como seres humanos são despreparados para a “fome”, porque as pessoas compraram mais do que poderiam consumir antes das coisas estragarem. O desespero com a possibilidade de faltar alguns produtos deu origem ao desperdício. “Vamos ficar ilhados” essa foi a segunda preocupação; pois, o cancelamento de alguns voos e a possibilidade de que mais espaços aéreos fossem fechados fez com que os expatriados antecipassem sua saída do país com medo de não poderem fazer num futuro próximo. O bloqueio coincidiu com férias escolares, a maioria das famílias de expatriados já estava programada para sair do país, mas muitos acabaram antecipando a viagem.

“Tenho que tirar minhas economias daqui”. Essa preocupação tornou a rotina dos bancos e das casas de câmbio um tormento. Uma verdadeira gincana foi instalada para conseguir sacar e fazer o câmbio da moeda local para poder retirar o dinheiro do país. Dólares sumiram do mercado e os bancos tiveram que impor um limite de saques para tentar controlar o mercado financeiro. Nesse desespero eu confesso que entrei, hehe.

 

Como o Governo vem reagindo

 

Enquanto a preocupação se instalava entre a população o Emir Sheik Tamim Bin Hamad Al Thani, juntamente com seus ministros, buscava soluções.

Medidas urgentes foram tomadas para tranquilizar a população. A primeira foi anunciar que o país é totalmente preparado e que pode se manter por no mínimo nove meses com os estoques de alimentos que possui. Em seguida começaram a negociar e abrir novas rotas com outros países fornecedores para que não faltasse nada e que as obras da Copa não fossem prejudicadas. O governo aumentou o incentivo à produção local e pasmem…importamos vacas, sim, 4 mil vacas foram importadas da Austrália e Estados Unidos, o que irá garantir cerca de 35% do abastecimento de leite e derivados.

Como solução ao espaço aéreo, rotas alternativas foram criadas e alguns voos tiveram horas de acréscimo para poder contornar o bloqueio. Em nenhum momento os passageiros da Qatar Airways foram prejudicados; pois, a empresa remarcou e reembolsou em 100% todos aqueles que tiveram seus voos cancelados ou que por algum motivo preferiram não usar a empresa durante esse período. Novas rotas marítimas também foram abertas para garantir que não haja alterações na rotina diária do país.

 

 

Nasce um diplomata

 

Imagem criada pelo artista Qatari Ahmed bin Majed Almaadheed, que se tornou símbolo dos cidadãos e residentes do país mostrando seu apoio ao Emir. A imagem tem a seguinte frase em árabe “O glorioso Emir”.

Imagem criada pelo artista Qatari Ahmed bin Majed Almaadheed, que se tornou símbolo dos cidadãos e residentes do país mostrando seu apoio ao Emir. A imagem tem a seguinte frase em árabe “O glorioso Emir”.

 

 

Apesar de ser o Emir mais novo do mundo, com apenas 37 anos, o Emir Sheik Tamim tem mostrado que foi muito bem preparado para o cargo.

Assumiu uma posição firme e forte que não cederia as exigências dos países árabes envolvidos, pois elas não teriam fundamento. Tem provado ao mundo que está disposto a uma solução diplomática, porém não deixará que os países vizinhos interfiram na política interna.

Enquanto os países do bloqueio separam as famílias banindo os Qataris que lá vivem, o Qatar resolveu acolher todos Sauditas, Emirates, Barenitas e Egípcios que quiserem permanecer no Qatar juntamente com suas famílias. Tem buscado apoio de organizações mundiais importantes como França, Alemanha e Turquia.

Abriu as fronteiras para mais de 80 países, onde se inclui o Brasil, retirando a necessidade do visto para entrar no país. A Qatar Airways recebeu recentemente o prêmio de melhor companhia aérea do mundo pela Skytrax e segue inaugurando novas rotas possibilitando um aumento da rede aérea mundial. Tem programada a inauguração do voo Doha /Rio de Janeiro para janeiro de 2018.

 

 

Qatar Airways premiada como melhor companhia aérea 2017 - foto internet

Qatar Airways premiada como melhor companhia aérea 2017 – foto internet

 

 

Situação atual

 

As fronteiras continuam fechadas, porém os voos e o abastecimento estão totalmente sob controle. Em momento nenhum perdemos o direito de ir e vir ou nos faltou comida, como alguns noticiários sensacionalistas publicaram.

 

CEO da Qatar Airways, Akbar al-Baker (AFP), e nosso Neymar Jr – foto internet

CEO da Qatar Airways, Akbar al-Baker (AFP), e nosso Neymar Jr – foto internet

 

 

O poder de aceitação e superação do país chega a ser assombroso. Conseguiram afastar o fantasma de que perderiam a Copa do Mundo com a recente contratação do passe do jogador Neymar Jr para o PSG, de propriedade do fundo de investimento do Qatar. Especula-se que o brasileiro será o garoto propaganda da Copa.

O apoio da população ao Emir fez com que se criasse uma união entre o povo local e os expatriados, hoje é como se fossemos todos uma grande torcida unida por um mesmo time, o Qatar.

Evidente que o prejuízo financeiro será a longo prazo, porém acredito que esse país pequeno em tamanho, grande em poder de superação e união do povo irá encontrar soluções.

Me sinto privilegiada em fazer parte dessa história, de divulgar a cultura, diminuir o preconceito e promover esse pais! Feliz pela oportunidade de viver aqui!

 

Eu, Leila Martinez, te espero por aqui para mostrar muito mais sobre o país da Copa do Mundo 2022.

Nos siga nas redes sociais

https://www.facebook.com/turistandoemdoha/

Instagram @turistandoemdoha

 

 

 

 

 

Patrícia Lopes

Patricia Lopes is a sports journalist, currently working as the BeIN Sports channel correspondent in Brazil. She took part in several international coverages and two world cups. The first in 2010 in South Africa, and the second in 2014, in Brazil. Patricia has previously worked for the following channels: Rede Brasil-TVE (Brazilian public TV) where she worked for nine years as a reporter, presenter and sports commentator. After that she spent 7 years at ESPN. She has also worked freelance for other famous news channels in the world: Al Jazeera, CNN EN Español and NBC Telemundo