Destaquesdo site

O atacante Grafite

O atacante Grafite

Além de divulgar os eventos culturais e esportivos do Qatar também vamos trazer notícias dos profissionais que estão trabalhando no país. Para começar essa série de reportagens o nosso primeiro entrevistado é um dos grandes nomes do futebol brasileiro e mundial: o atacante Grafite.

Ele é um daqueles jogadores que por onde passa é querido pelo grupo e vira ídolo dos torcedores do clube. Antes da transferência para o Qatar foram 3 anos e meio no Al Ahli, dos Emirados Árabes. Os números mostram porque Grafite até hoje ainda é idolotrado no clube: 87 jogos, 76 gols e 8 títulos, incluindo: duas Copas do Presidente, dois Campeonatos Emiratense, uma Liga do Golfo Árabe e três Supercopas dos Emirados Árabes Unidos. Para entender a idololatria que cercava Grafite no Al Ahli a despedida dele foi marcada por emoção e lágrimas.

Antes de chegar à Ásia, Grafite já tinha feito história pelo Wolfsburg, da Alemanha, conquistando o Campeonato Alemão da temporada 2008/2009. Foi artilheiro da competicão, quebrou recordes e eleito o melhor jogador da temporada.

No Brasil o grande destaque foi no São Paulo onde conquistou: campeonato paulista, a libertadores da América e o Mundial de clubes da Fifa em 2005.

Na seleção brasileira participou da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. No Qatar há uma grande expectativa para que o atacante Grafite repita o bom desempenho que teve nos Emirados Árabes e na Alemanha. Futebol de qualidade ele tem para isso.

graffa

 

Você passou alguns anos no Al Ahli e continua sendo muito querido nos Emirados. Qual foi a sua maior contribuição para o futebol árabe?

É verdade. Joguei 3 anos e meio nos Emirados Árabes e foi uma experiência muito gratificante pessoalmente e profissionalmente. Uma nova cultura bem diferente da nossa, às vezes difícil, as vezes fácil de compreender, mas no geral foi muito positivo! Acho que contribui com minha experiência no âmbito esportivo, no meu estilo de jogo, no meu comportamento. Acrescentei um pouco para a melhora professional, principalmente do atletas locais. Graças a Deus, sempre fui uma referência positiva.

 

Como está sendo a vida no Qatar e no Al Sadd?

Até agora está sendo muito boa e a recepção dos atletas do clube também, o clube é muito bom.Temos toda a estrutura para trabalharmos e jogarmos bem. A cidade estou conhecendo aos poucos. Não tem as mesmas opções que Dubai, mas estou gostando e me adaptando cada dia melhor.

 

Como é a sua rotina de treinos e com quais brasileiros trabalha?

A rotina é basicamente a mesma dos outros clubes: sessão diária de treinamentos, principalmente agora nesta época que estamos jogando de 3 em 3 dias. Está meio corrido, mas tudo bem. Aqui no clube de brasileiros tem eu e o Muriqui, de jogadores. Temos também o João que é nosso preparador físico que já está aqui há 10 anos. Ele tem nos ajudado muito na adaptação em Doha e no clube.

 

Como as pessoas reagem quando você diz que está no Qatar? Como foi no início?

Normal. Os que não conhecem aqui me perguntam como é, mas reagem normalmente. O início, em qualquer país diferente não é fácil. Aqui não foi tão difícil para conhecer os lugares, me locomover na cidade e fazer tudo, mas hoje com 5 semanas aqui, já estou mais ambientado com o país.

 

Nos conte uma curiosidade e uma dica para os turistas brasileiros que pretendem visitar o Qatar. 

Olha eu não conheço muito ainda até porque sou novo aqui, mas semana passada me mudei para o “The Pearl” onde é muito bonito. Vale a pena conhecer. É um condomínio de apartamentos e casas na praia que tem muitos atrativos!

 

Você acredita que o futebol do Qatar pode evoluir até a Copa do mundo? 

Pode e acho que vai. O governo está investindo muito para isto, para a expansão do país e dos profissionais que trabalham aqui, não só no futebol, mas no geral. A liga Qatari está crescendo em qualidade e competitividade. Até 2022 vai crescer ainda mais!

 

Como está o Al Sadd na disputa da liga?  

Na liga Qatari até 3 rodadas atrás nós estávamos brigando para ser campeões contra a a equipe do Lekhwya, mas nos últimos três jogos empatamos dois e perdemos um. Deixamos a vantagem que eles tinham aumentar, mas ainda restam 4 jogos. Eles abriram 7 pontos de vantagem, porém ainda temos chances. São mínimas, mas vamos lutar até o último minuto!!

 

O que mudou na sua vida desde que você passou a jogar no oriente médio?

Não teve assim mudanças drásticas, mas a maneira como eu via a religião muçulmana e como vejo hoje, é totalmente diferente. A visão que temos antes de conhecermos pessoalmente, de viver o dia dia deles, mas eu procuro sempre ter a minha conduta, respeito à religião deles. Até hoje nunca tive nenhum problema, eles também respeitam a minha e a vida segue.

 

Como está a preparação do país para a Copa? Vc acredita que em 2022 o Qatar pode fazer uma grande copa do mundo? 

A preparação, da seleção local não tenho acompanhado muito. Vi que foram campeões da última edição da Copa do golfo e que na copa da Ásia tinham uma expectativa muito grande mas não passaram da primeira fase. Pelo fato deles jogarem a Copa em casa talvez consigam fazer uma grande Copa! Porém,  muita coisa pode acontecer até lá! Vamos aguardar.

 

O que você pode dizer para os Brasileiros sobre o Qatar? 

Se puderem venham conhecer. É um país legal, diferente. Com uma cultura muito interessante e com vários atrativos!

Related articles

  • Luxo, luxo e mais luxo

        No “ estacionamento” do condomínio.  Marina privada dos moradores da The Pearl, ilha aterrada que custou mais de US$ 150 bilhões.   Doha, capital do Qatar, tem se tornado um destino disputado nos últimos anos. Isso porque além de estar estrategicamente posicionada no Oriente Médio servindo de escala para vários países, é a […]

  • Xavi no Qatar

    Xavi Hernandez que foi durante anos uma das grandes estrelas do Barcelona foi apresentado oficialmente pelo Al Sadd na quinta-feira e disse que estava “orgulhoso” por agora estar jogando no Qatar. O meio campo assinou um contrato de dois anos, que poderá ser aumentado para três anos. Ele  vai jogar e também treinar as categorias […]

  • Lekhwiya é campeão pela quarta vez

    Lekhwiya conquistou a liga do Qatar pela quarta vez. A equipe levou vantagem sobre os rivais, o Al Sadd, depois de vencer o jogo contra o Al Ahli por 3 a 1. O Lekhwiya ganhou o tiítulo com uma rodada de antecedência, pois somou 59 pontos, 5 a frente do Al Sadd. Uma temporada para […]

  • Muriqui no Qatar

    Luiz Guilherme da Conceição Silva é conhecido no futebol pelo apelido de Muriqui. Ele começou a carreira no Madureira e ficou conhecido nacionalmente quando jogou no Vasco, Avaí e Atlético Mineiro. Depois o atacante deixou o Brasil e optou pela China. Foram 4 anos no Guangzhou Evergrande, onde conquistou vários campeonatos e prêmios individuais, sendo […]

Patrícia Lopes

Patricia Lopes is a sports journalist, currently working as the BeIN Sports channel correspondent in Brazil. She took part in several international coverages and two world cups. The first in 2010 in South Africa, and the second in 2014, in Brazil. Patricia has previously worked for the following channels: Rede Brasil-TVE (Brazilian public TV) where she worked for nine years as a reporter, presenter and sports commentator. After that she spent 7 years at ESPN. She has also worked freelance for other famous news channels in the world: Al Jazeera, CNN EN Español and NBC Telemundo