Destaquesdo site

Turismo em Doha com Leila Martinez

Turismo em Doha com Leila Martinez

Hoje vamos abrir espaço no site para o turismo. Que tal um passeio na praia? Ou você prefere o deserto? Já pensou em andar de camelo? Você tem dúvida sobre qual roupa usar no Qatar? Quer visitar o país, mas não sabe como fazer para tirar o visto. Todas essas questões serão respondidas.

Nessa semana o site Qatar news conversou com a brasileira Leila Martinez que trabalha como guia de turismo e mora há 3 anos em Doha. Leila é uma cidadã do mundo e por causa do trabalho do marido, que era piloto da Varig, ela também morou na China. Já são 8 anos longe do Brasil. Leila tem várias dicas sobre o Qatar e sabe tudo sobre a cultura e os costumes do país. Vale a pena conferir essa entrevista. Você vai encontrar ótimas sugestões para aproveitar os dias no país e também informaçōes gerais desde como tirar o visto, culinária, copa do mundo de 2022 e transporte.

 

 

leila hotel

 

 

QN: Como surgiu a ideia da página sobre turismo?

 

LM: Para todo país que mudamos sempre procuro me informar e adaptar um pouco a cultura local. Foi assim na China, onde me vi obrigada a cursar a faculdade de Mandarim para facilitar a comunicaçao, pois pouco se fala inglês por lá. Aqui no Qatar a adaptacão já foi bem mais fácil. Apesar da língua oficial ser o árabe, o inglês é bastante usado, já que mais de 70% da população é de estrangeiros, afinal o país foi protetorado Britânico por 55 anos. Antes de começar a trabalhar como guia comecei a estudar a cultura local, estilo de vida e o Islamismo por curiosidade. A partir daí surgiu a necessidade de registrar esse conhecimento, então criei a página Leila Martínez Doha Tour no Facebook (https://www.facebook.com/lmdohatours).  Nela fui postando sobre assuntos que me interessavam, sobre pontos turísticos e obras que estavam sendo realizadas por aqui e lugares que frequento.  Para minha surpresa em menos de uma semana tinha mais de 600 seguidores. Apesar de ter direcionado a página para Brasileiros, hoje tenho pessoas de várias nacionalidades me seguindo, inclusive membro da família  Al Thani, família que Reina no Qatar. A página já ultrapassou os 1500 seguidores.

 

 

QN: Como é a vida no país para os estrangeiros? Os brasileiros se reúnem?

 

LM: Morar no Qatar não é o bicho de sete cabeças que as pessoas imaginam. Levamos uma vida normal como no Brasil, com a vantagem de estarmos quase totalmente seguros. Crimes não são frequentes por aqui e quando acontecem a punicao é muito severa. Minha filha estuda na Escola Americana , onde convive com pessoas de todas nacionalidades. Meu filho cursa a Faculdade de Aviação do Qatar, onde é o único cristão. Isso é ótimo, porque nos dá a oportunidade de conviver diretamente com a cultura islâmica, pois os colegas estão sempre aqui em casa. Adoro essa troca de costumes. Nós aprendemos e ensinamos. Como o número de estrangeiros é enorme por aqui, vivemos todos em comunidades. Cada nacionalidade tem a sua, e dentro de cada uma ainda temos as comunidades por afinidade. Por exemplo, na Brasileira temos a do futebol, a da construçao civil, a da aviação, etc.. Eventualmente existem eventos onde ocorre uma mescla delas, mas é ocasional. Tenho amigos em todas comunidades e a meu ver essa troca de experiências é fundamental na vida do expatriado. O Qatar não produz praticamente nada além de petróleo e gás natural (terceiro maior produtor mundial de gás ficando somente atrás da Russia e do Irã). Por isso tudo é importado, o que torna o custo de vida um pouco elevado. Mas por outro lado, o país é livre de impostos então a renda é 100% sua. Roupas são extremamente acessíveis e o valor do combustível chega a ser piada (R$ 0.71 litro).

 

 


leila mesquita

 

 

 

QN: Muitas pessoas me perguntam sobre as roupas. Como é no dia a dia para o morador? Nos explique sobre os véus. 

 

LM: Não precisamos usar as roupas dos locais, apenas respeitar o “dress code” ,ou seja, saias curtas, shorts, tops não são bem vistos em locais públicos. Você pode usar, mas corre o risco de ser chamado a atenção. Meu conselho: evite! Sempre tenho na bolsa um casaco leve ou uma echarpe, pois gosto de andar com os ombros de fora. Se vejo necessidade de usar, estou sempre prevenida. Ë bom lembrar que para visitar as Mesquitas  os  homens devem estar com joelhos e ombros cobertos, e mulheres devem usar abaya (uma vestimenta para mulheres que cobre todo o corpo) fornecida no proprio local. E é obrigatório retirar os sapatos. Na página do FB você encontra explicaçao detalhada sobre o uso dos véus.

 

QN: Como é a culinária no Qatar?

 

LM: Encontramos todos os tipos de alimentos por aqui, seja no supermercado ou restaurantes. A culinária daqui é variada, mas você encontra a comida local e a de outros países de origem árabe por todos os cantos e com um preço bem justo. A proximidade entre os Países do Golfo faz com que a comida da região seja muito diversificada e com várias influências, às vezes fica difícil identificar se é comida Turca, Árabe, Síria, Libanesa ou Qatari, mas elas tem pequenas diferenças e ainda assim todas são deliciosas.

 

QN: O que fazer para se sentir em casa no país?

 

LM: Como já falei antes, acho fundamental para você se sentir bem num local primeiro estudar o básico sobre a cultura. Isso evita constrangimentos e torna seu dia a dia mais fácil. Respeitar a cultura alheia é o segredo para você estar bem em qualquer local. Na nossa casa temos tudo que lembra a família e os amigos, nunca falta o chimarrão, a churrasqueira, a bandeira brasileira, fotos e uma música de qualidade. 

 

QN; Qual o seu lugar predileto no Qatar?

 

LM:Com certeza o Souq Waqif. É um lugar maravilhoso para explorar a cultura local, fazer compras, jantar ou simplesmente jogar seu tempo fora em um dos muitos cafés localizados ao ar livre na rua principal. O Souq é um local que você poderá apreciar as belezas da cultura árabe, tipos de vestimentas, provar comidas locais, comprar temperos exóticos, assistir danças típicas e até segurar um falcão. Durante o tour pela cidade costumo deixar o Souq por último porque fica difícil tirar o turista de lá para levar em outros pontos.  Você gasta um dia inteiro pra conhecer o local com calma. Sem contar que é a imagem mais bonita que você pode levar daqui: de um povo receptivo, amante das suas raízes e que tenta preservá-las.

 

leila falcao

 

 

QN: Nos conte alguma curiosidade do país?

 

LM: Só o que temos por aqui são curiosidades, uma vez que a cultura é muito diferente da nossa. A primeira seria a distribuição dos dias da semana. Aqui a Sexta-feira equivale ao Domingo. A semana útill vai de Domingo a Quinta-feira . Sexta e Sábado são considerados fim de semana. Além disso, podemos citar os homens andando de mãos dadas pelo shopping, se cumprimentando com beijinho de esquimó, os falcões viajando nos aviões sentados na poltrona ao seu lado, as festas de casamento separadas para os homens e as mulheres, corridas de camelo, um homem Qatari no supermercado fazendo compras com suas 4 esposas e por ai vai…

 

 

QN: Quando estive no Qatar percebi que o transporte publico é deficitário. Como um turista deve fazer para se locomover no país?

 

LM: O transporte público apesar de barato é carente. Existe somente uma empresa do governo para ônibus e taxis, a Mowasala. As tarifas para os ônibus dentro da cidade são 3 QAR (R$ 2,50) e para qualquer outra cidade no Qatar até 9 QAR (R$ 7,50). O país está resolvendo esse problema com a construção de 4 linhas de metrô que estão previstas para serem inauguradas em 2019. A rede de metrô vai cobrir a área da Grande Doha e irá incluir conexões com centros das cidades e áreas residenciais e comerciais vitais .No centro de Doha, o metrô será subterrâneo, enquanto na periferia; será principalmente ao nível do solo ou elevado. Essas linhas irão ligar todos os 12 estádios da Copa, bem como os principais pontos turísticos. Até lá você pode usar os serviços dos taxis particulares, muito comuns por aqui, ou ainda alugar um carro, o que é muito barato. Você pode dirigir aqui por até 3 meses, desde que  tenha a carteira internacional, a qual deve requisitar no Brasil. A maioria dos estacionamentos não é cobrado, e quando acontece é um valor simbólico. Não existem flanelinhas por aqui.

 

QN: O país está em obras e como você vê a evolução da cidade nesses últimos anos?

 

LM: O Qatar hoje é um grande canteiro de obras, pois está vivendo intensamente as transformações para sediar a Copa de 2022. Isso dá ao país um charme especial. Presenciar a mudança dessa cidade, o poder que a engenharia  e o dinheiro tem de transformer o deserto em construções belíssimas e em lugares verdes, é fascinante. É bom lembrar que no espaço de 70 anos, o país saiu do completo anonimato para se tornar uma das maiores forças regionais, com direito a um canal de TV próprio visto no mundo inteiro, a TV Al- Jazeera. O Qatar é considerado o país mais seguro da região, por isso a maior Base Aérea Americana fora dos Estados Unidos, está implantada aqui em Doha. A cidade já era linda quando cheguei, a cada dia que passa me encanto mais pelas belezas que estão surgindo e vejo que o país está abrindo as portas para outras culturas. Acredito que até a Copa muita coisa ainda vá mudar.

 

QN: Qatar é só a cidade de Doha? Nos fale sobre as outras cidades.

 

LM: Por ser a Capital Doha concentra a maior parte da população e dos pontos turísticos .Porém, o Qatar tem outras cidades tão importantes quanto e que também serão sede dos jogos da Copa do Mundo de 2022. Os 12 estádios ficarão distribuídos da seguinte maneira:

  • Lusail sediará a abertura e o encerramento no Lusail Iconic Stadium (capacidade 86mil)
  • Doha terá 5 estádios: Khalifa International Stadium (em expansão para 68 mil), o Sports City Stadium (capacidade 47 mil) e o Qatar University Stadium (capacidade 45 mil), Doha Port Stadium ( capacidade 45 mil) e o  Al- Gharrafa Stadium ( em expansão 45 mil)
  • Al Khor abrigará o Al-Khawr Stadium
  • Al Wakrah, o Al wakrah Stadium
  • Madinat Ash Shamal, o Al-Shamal Stadium
  • Umm Salal, o Umm Salam Stadium (capacidade 45 mil)
  • Al Rayyan com 2 estadios, o Ahmed bin Ali Stadium ou Arena Al-Rayyan (capacidade 45 mil) e o Education City Stadium (capacidade 43 mil).

Todos os estádios ficam próximos, cerca de menos de uma hora de distância entre eles, sendo possivel assistir a mais de uma partida por dia.

 

QN: Praias e bebidas alcoolicas. Como funcionam para os turistas?

 

LM: Se você gosta de praia procure reservar um hotel que tenha praia privativa, nessas você poderá usar os biquinis brasileiros e tomar sua cerveja. Do contrário você precisará de um carro para ir ate as praias públicas em outras cidades, e levar todo o kit praia, pois elas são praticamente desertas e não tem infra-estrutura. São 563 km de orla com numerosas pequenas ilhas, bancos de areia e recifes. Um mar verde esmeralda de águas calmas, onde a prática do mergulho é muito comum. Lembrando sempre que beber e dirigir não combina e a tolerância aqui é ZERO! Pode beber nos hotéis  e  bares autorizados. No caso de residentes , temos direito a um Alcohool Permit, uma carteirinha que nos permite comprar álcool e ter em casa para consumo.

 

 

leila camelo

 

 

QN: Qual seria um passeio imperdível no Qatar?

 

LM: Safari no deserto. Um dos pontos altos por aqui é o passeio em carros 4×4 pelas dunas no Qatar até o Insland Sea, mar de dentro, onde o Qatar faz fronteira com a Arabia Saudita. Você poderá optar por passeios de ½ dia, dia inteiro ou ainda vivenciar a experiência de passar a noite do deserto num acampamento tipicamente beduíno. Assistir o pôr do sol nas dunas, um dos mais belos que já vi, e o nascer do sol no mar. Fazer um passeio de camelo ou andar de quadriciclo.

 

 

QN: Qual o primeiro passo para o turista que quer viajar para o Qatar? Visto, hotéis, o que você sugere que ele deve fazer?

 

LM:Ficou com vontade de se aventurar pelo Qatar? Você só precisa providenciar sua passagem pela Qatar Airways com vôo direto diariamente de SP/Doha. Ou pela Emirates, Etihad, British Airway,Iberia,Lufthansa,Turkish Airlines com vôos com escalas. Fazer uma reserva nos inúmeros hotéis daqui, providenciar seu visto através do proprio hotel. Ou então, através de um despachante no Brasil, apesar de eu achar o serviço um pouco caro. No caso de você ter passaporte europeu ou americano poderá comprar o visto diretamente no Aeroporto de Doha, porém este serviço não é permitido para passaporte Brasileiro. Para conhecer a cidade você pode fazer isso sozinho, com o serviço do DohaBus (não é a opção mais barata, mas vale a pena se você estiver desacompanhado).

 

QN: quais as dicas q você pode dar para o turista que vai viajar para o país nos meses da copa do mundo, novembro e dezembro?

 

LM: Os meses de alta temporada são de outubro até maio, quando as temperaturas são extremamente agradáveis. Razão pela qual a data da Copa foi trocada. Programe sua viagem para esses meses. Não esqueça de por na bagagem um agasalho (no deserto nessa época faz frio a noite), sapatos confortáveis e muita, mas muita vontade de aprender. Se você souber se despir dos preconceitos que existe na mídia contra a cultura islâmica sairá daqui outra pessoa com o banho de cultura que irá receber. Lembre-se que caso voce queira tirar foto de algum Qatari, é educado perguntar antes se pode. A maioria deles não se incomoda principalmente se for em pontos turísticos. Mas, as mulheres não podem ser fotografadas, a não ser que autorizem. Prepare-se também para comer bastante, a fartura é marca registrada da região. A hospitalidade é um dom que todo árabe preserva no coração, se você  for simpático sempre terá alguém pra lhe oferecer um café, um chá ou uma tâmara (iguaria do deserto). Aceite o gesto de carinho e aprenda a agradecer: Shukran !!!

 

Patrícia Lopes

Patricia Lopes is a sports journalist, currently working as the BeIN Sports channel correspondent in Brazil. She took part in several international coverages and two world cups. The first in 2010 in South Africa, and the second in 2014, in Brazil. Patricia has previously worked for the following channels: Rede Brasil-TVE (Brazilian public TV) where she worked for nine years as a reporter, presenter and sports commentator. After that she spent 7 years at ESPN. She has also worked freelance for other famous news channels in the world: Al Jazeera, CNN EN Español and NBC Telemundo